ÀSÉ PONTA DE BAIXO

ÌLÉ ÀSÉ ÀLÁKÉTÚ ÒMÍN LÒGÚN-ÈDÉ

YOBÁ – ÒBÁ

junho 8th, 2014

YOBÁ
A Governadora

Yobá, Orixá africano do Rio Obá ou rio Níger, terceira esposa de Songô. Guerreira, veste vermelho e branco, usa escudo, Arco e flecha (Ofá). Yobá é a senhora da sociedade elekoo, porém no Brasil esta sociedade passou a cultuar egungun. Deste modo, Yoba é a senhora da sociedade lesse-orixa. Yobá representa as águas revoltas dos rios. As pororocas, as águas fortes, o lugar das quedas são considerados domínios de Yobá. Ela representa também o aspecto masculino das mulheres (fisicamente) e a transformação dos alimentos de crus em cozidos. Orixá, embora feminina, energética, temida, e forte, considerada mais forte que muitos Orixás masculinos, vencendo na luta, Osalá, Songô, Ogun e Orunmilá.

Yobá é irmã de Oiyá-Iansã, foi esposa de Ogun e, posteriormente, terceira e mais velha mulher de Songô. Bastante conhecida pelo fato de ter seguido um conselho de Osun e decepado a própria orelha para preparar um ensopado para o marido na esperança de que isto iria fazê-lo mais apaixonado por ela. Quando manifestada, esconde o defeito com a mão. Seus símbolos são uma espada e um escudo.

Por sua envergadura física e força, tornou-se uma guerreira, a única mulher capaz de desafiar Ogun para uma luta, e por ser Yobá extremamente forte e destemida, Ogun se viu obrigado a usar de um truque contra ela, espalhando quiabo amassado no chão, e atraindo Yobá para aquele canto, onde a guerreira escorregou e não apenas perdeu a luta como foi possuída à força por Ogun, que se tornou seu inimigo.

Como esposa de Songô, sempre se sentindo menos desejada por seu amado que Osun e Oiyá-Iansã, Yobá se esmerava em agradá-lo com seus pratos cada vez mais aprimorados. Mas Osun era sempre a preferida de Songô.

Um dia Yobá não se conteve e perguntou a Osun qual o segredo de sua sedução. Osun, que vivia com a cabeça enrolada em turbantes maravilhosos, disse que havia cortado a própria orelha esquerda e colocado no amalá (uma comida à base de quiabo) de Songô que, ao comê-lo, por ela se perdera de paixão para sempre.

Yobá então cortou a própria orelha e a colocou no amalá. Ao ver Yobá com um ferimento no lugar da orelha Songô quis saber o que houvera e Yobá contou.

Neste momento Osun tirou seu turbante e, mostrando as duas orelhas intactas a Yobá, desatou a rir. Songô, zangado com a insensatez de Yobá e enojado por ver sua orelha na comida, expulsou-a de seu palácio e Yobá tanto chorou e teve raiva que se transformou num rio revoltoso. Na África, no lugar onde se encontram os rios Yobá e Osun o estouro das águas é extremamente violento.

 

CARACTERÍSTICAS DAS FILHAS DE YOBÁ

Os filhos de Obá não tem muito jeito para se comunicar com as pessoas, chegam a ser duros e inflexíveis. Têm dificuldade em ser gentis e estabelecer um canal de comunicação afectiva com os outros; às vezes são brutos e rudes afastando as pessoas. Isso deve-se ao fato de os filhos de Obá, na maioria das vezes, sofrerem um certo complexo de inferioridade achando que as pessoas que se aproximam querem tirar partido de alguma coisa. De facto, isso tende a acontecer com os filhos de Obá.

A sua sinceridade chega a ferir; expressam as suas opiniões, fazem críticas e acabam por magoar as pessoas, pois não se preocupam em ser agradáveis. Mas essa agressividade é puramente defensiva.
São bons companheiros e amigos fiéis, são ciumentos e possessivos no amor, por isso não têm muita sorte. Quando apaixonados, nunca são senhores da relação, cedem em tudo, abdicam de todas as suas convicções.

Algumas vezes infelizes no amor, investem todas as suas cartas nas suas carreiras e, de entre as mulheres que se destacam profissionalmente numa sociedade machista, podem-se encontrar muitas filhas de Obá excelentes juizas, advogadas, comandando quartéis, etc. Muitas vezes despertam a inveja dos seus inimigos e podem sofrer algumas emboscadas, por isso devem vencer a tendência que possuem para a ingenuidade.

DADOS PESSOAIS SOBRE O ORIXÁ

 

Nome: Yobá

Filiação: Osalá e Iyemonjá

Dia da semana: Quarta-Feira

Data: 25 de novembro

Cor: Vermelho e Marrom
Folhas: Candeia, negamina, folha de amendoeira, ipoméia, mangueira, manjericão

Flores: Rosas Vermelhas

Frutas: Todas as vermelhas.

Símbolo: o ofá (arco e flecha), Ofanji ( espada ) e Escudo

Domínio: Aguas Revoltadas

Oferenda: Abarás e Acarajés

Sincretismo: Santa Catarina

Saudação: Yobá Xire

Mineral: cobre

Toque: Ilú

Elemento: agua

 


 

ÌLÉ ÀSÉ ÀLÁKETÚ ÒMÍN LÒGÚN-ÈDÉ
ÀSÉ PONTA DE BAIXO

Bàbálòrisá Valério Tí Lògún-Èdé
E-mail: babavalerio@logunede.com.br
Facebook:
http://www.facebook.com/babavalerio
Endereço:
Rua Assis Brasil, n° 6887
Ponta de Baixo – São José/SC
Fone: (48) 8484-8560